• Raphael Uba de Faria

A Conquista do Polo Sul – Parte I: Scott

Olá, pessoal!


No início do Século XX, a atenção dos exploradores e das grandes expedições científicas estava voltada para os polos Norte e Sul. Um dos maiores exploradores daquele tempo foi Robert Falcon Scott. Ele nasceu em Plymouth, Reino Unido, em 1868 e, com apenas treze anos, iniciou carreira como Guarda-marinha na Marinha Real Britânica.


Robert Falcon Scott

Direitos de Imagem: Domínio Público

Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Scott_of_the_Antarctic_crop.jpg


Scott seguiu carreira em um período de paz, quando as promoções eram raras e chegou apenas ao cargo de Tenente. Após as mortes de seu pai e seu irmão mais novo, ele ficou responsável pelo sustento de sua mãe e de suas duas irmãs solteiras, o que o levou a buscar formas alternativas de ganhar dinheiro. Em 1899, ele se encontrou, por acaso, com Clements Markham, presidente da Real Sociedade Geográfica (Royal Geographic Society – RGS), que havia ficado impressionado com suas qualidades quando eles se conheceram, anos antes, na África do Sul. Markham mencionou que ele estava organizando e, a RGS, patrocinando, em parceria com a Sociedade Real (Royal Society – instituição voltada ao desenvolvimento científico), uma expedição científica ao continente antártico. Vendo-a como uma oportunidade de ganhar dinheiro e se promover, Scott se candidatou e foi escolhido para liderar o empreendimento.

Dois anos depois, com o incentivo e interesse do rei Eduardo VII, a Expedição Antártica Nacional Britânica deixou o Reino Unido a bordo do navio Discovery, nome pelo qual ela se tornaria popular, e rumou para a Antártica (embora tradicionalmente o nome do continente seja escrito com d, ou seja, Antártida, utilizaremos a também aceita grafia com c, que nos parece etimologicamente mais correta, uma vez o termo antártico se refere ao oposto de ártico). Durante o período em que esteve no continente, Scott realizou uma viagem em direção ao Polo Sul, acompanhado do naturalista e pintor Edward Wilson e de Ernest Shackleton, outro explorador que ficaria famoso por suas expedições ao continente gelado, mas não conseguiram chegar a menos de 850 quilômetros de distância do Polo. Eles usaram cachorros para puxar os trenós, mas sua inexperiência com os animais foi desastrosa e os cães acabaram morrendo. A expedição chegou ao fim em 1904 e, em seu retorno, Scott foi recebido como um herói e promovido a Capitão. Mas uma ideia havia sido plantada em sua cabeça e o impelia a retornar à Antártica: ser o primeiro homem chegar ao Polo Sul.

Nos anos que se seguiram, Scott viu seu ex-companheiro, Shackleton, liderar uma expedição com esse exato objetivo, e chegar bem próximo de o alcançar. Quando Shackleton retornou ao Reino Unido, em 1909, Scott estava ansioso para partir e organizava uma nova expedição com o objetivo de assegurar a conquista do Polo Sul ao Império Britânico. Organizando-a sem as imposições da Sociedade Geográfica Real e da Sociedade Real, Scott optou por levar pôneis da Manchúria e trenós motorizados, além de um número reduzido de cães, pois não havia ficado convencido de sua eficiência na Expedição Discovery.

Antes de partir, Scott tentou recomprar o Discovery, que havia sido vendido pela Marinha Real, mas não teve sucesso. Optou, então, pelo navio Terra Nova, que, assim como seu antecessor, emprestou seu nome à expedição. Os navios que iam em direção aos polos eram sempre de madeira, para não interferirem nas medições magnéticas.

O Terra Nova zarpou do País de Gales em 15 de Junho de 1910, sem Scott, que só se juntou à tripulação na Cidade do Cabo, África do Sul. De lá, rumaram para Melbourne, na Austrália e, depois, para Dunedin, na Nova Zelândia, onde os pôneis, trenós e cachorros embarcaram. Apenas a 29 de Novembro de 1910, partiram definitivamente para a Antártica.


Navio Terra Nova na Antártica

Direitos de Imagem: Domínio Público

Fonte:https://www.coolantarctica.com/Antarctica%20fact%20file/History/Robert-Falcon-Scott2.php


Hoje em dia estamos acostumados a ver imagens da Antártica com alguma frequência em documentários e reportagens. Há várias instalações científicas de diversos países e podemos receber notícias de lá imediatamente. Aliás, se você quiser conferir o que está acontecendo no continente gelado agora, só precisa clicar neste endereço do governo australiano, que instalou câmeras que transmitem em tempo real (embora nem sempre a conexão permita acompanhar) e geram um vídeo acelerado das gravações dos últimos dois dias: https://www.antarctica.gov.au/antarctic-operations/webcams/. Mas, naquela época, a história era completamente diferente. Pouco se conhecia sobre o continente, não havia meios de comunicação com outras partes do mundo, nem mesmo rádio, e avançar um metro era um grande desafio. E não nos esqueçamos que a média de temperatura por lá fica em torno dos 30º Celsius negativos, com picos de -80º durante o inverno (quando não há sol por vários meses). Além disso, o gelo cobre fendas que existem no chão, algumas com mais de 50 metros de profundidade, e é impossível vê-las antes de pisar nelas, sentir o gelo ceder e cair.

Em janeiro de 1911, a tripulação desembarcou e ergueu acampamento a 24 quilômetros de distância do acampamento da Expedição Discovery e Scott decidiu esperar até o final do ano, quando o clima seria mais ameno para iniciar sua tentativa de chegar ao Polo. Ainda assim, iniciaram rapidamente a instalação de alguns depósitos, que serviriam de postos avançados durante sua marcha para o Polo. Tudo precisava ser feito rapidamente, ainda no verão. Antes de partir para estabelecer o depósito mais avançado antes do início da jornada, que deveria ficar a 80º de Latitude Sul, alguns pôneis morreram e outros ficaram extremamente fracos e Scott, preocupado com a jornada de volta ao acampamento base, optou por construí-lo 48 quilômetros antes do ponto desejado. Isso implicava que ele estaria mais distante durante a viagem de volta do Polo.

Durante o resto do ano, eles se abrigaram do frio o melhor que puderam, fizeram vários estudos científicos e mapeamentos e planejaram a viagem em direção ao Polo, decidindo partir no dia 1º de Novembro, o que foi feito. Dezesseis homens, três trenós motorizados, os pôneis restantes e cães deixaram a base para a primeira etapa da jornada, que planejava atingir a Geleira (ou Glaciar) Beardmore. No dia 4 de Dezembro, o grupo estava perto de seu destino quando foi pego por uma tempestade e precisou ficar cinco dias parado, consumindo os suprimentos da segunda etapa, que seria a travessia da geleira, antes de seguir viagem. Quando chegaram a seu destino, os trenós estavam com defeito, os pôneis, exaustos, foram abatidos para ser vir de alimentos e alguns cachorros foram mandados de volta ao acampamento base com alguns membros da expedição, após a construção de um depósito.

A travessia da geleira foi iniciada com sua subida no dia 20 de Dezembro e mais dois depósitos de suprimento foram instalados, um no meio do percurso e outro quando chegaram ao topo. Superado o glaciar, mais homens retornariam e apenas cinco seguiriam para o Polo: Scott, Edward Wilson, Edgar Evans, Henry Bowers e Lawrence Oates, que formaram o Grupo Polar. Scott deu ordens a Edward Evans (não confundir com Edgar Evans, que permaneceu no grupo) para que, após chegar ao acampamento base, mandasse os cães de volta para o sul, para encontrar o Grupo Polar e auxiliá-lo no retorno.

Os homens seguiram atravessando o coração da Antártica, lutando contra o frio congelante e o gelo a cada centímetro e sabendo que o objetivo final estava próximo. Então, no dia 17 de janeiro de 1912, finalmente atingiram o Polo Sul, mas, para sua consternação, lá estava fincada a bandeira da Noruega!


O Grupo Polar em foto tirada por Henry Bowers usando um barbante.

Da esquerda para a direita: Wilson, Bowers (sentado), Evans (sentado), Scott e Oates

Direitos de Imagem: Domínio Público

Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/File:Scottgroup.jpg



Referências:


http://scottvsamundsen.blogspot.com/2012/01/thursday-18-january-1912.html

http://www.ronwatters.com/OLMapScott.html

https://www.britannica.com/biography/Robert-Falcon-Scott

https://www.britannica.com/place/Antarctica/History#ref390163

https://www.britannica.com/topic/British-Antarctic-Terra-Nova-Expedition

https://www.coolantarctica.com/Antarctica%20fact%20file/History/Robert-Falcon-Scott2.php

https://www.coolantarctica.com/schools/who-was-captian-robert-scott.php

https://www.history.com/this-day-in-history/robert-falcon-scotts-terra-nova-expedition-begins

https://www.youtube.com/watch?v=ty8GX1cNPPQ

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo