• Raphael Uba de Faria

Maria Teresa de Filippis

Olá, pessoal!


Maria Teresa de Filippis foi a primeira mulher a competir no Campeonato Mundial de Fórmula 1. Ela disputou três corridas em 1958 e tentou se classificar, sem sucesso, para outras duas, uma no mesmo ano e outra em 1959. Apesar de curta, sua participação merece destaque por ter conseguido se inserir em um meio quase exclusivamente masculino.


Maria Teresa de Filippis

Direitos de Imagem: Domínio Público

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Maria_Teresa_de_Filippis_(cropped).jpg


Nascida em Nápoles, Itália, em 1926, era a filha caçula de um conde e começou sua carreira automobilística aos 22 anos, após uma aposta entre seus dois irmãos. Maria participava de corridas de cavalo e um deles afirmava que ela também se daria bem nos carros, enquanto o outro dizia que não. Aposta feita, ela começou a treinar na Costa Amalfitana com o carro da família e estreou na Corrida de Montanha Salerno-Cava, em 1948, conquistando a vitória por ser a mais rápida a concluir o percurso.

Em seguida, ela começou a disputar o Campeonato Italiano de Automobilismo, um dos mais fortes da época, onde permaneceu até 1954, quando conquistou o vice-campeonato e foi contratada pela Maserati, campeã mundial de Fórmula 1 no mesmo ano com seu ídolo, Juan Manuel Fangio, para competir pela equipe em diversos eventos. Em 1957, mais uma vez pela Maserati, Fangio conquistou seu quinto título e se aposentou da Fórmula 1. No ano seguinte Maria Teresa teve a chance de competir na principal categoria do automobilismo e recebeu dicas de seu ídolo, que dizia que ela pilotava muito rápido e corria muitos riscos.

Sua primeira experiência foi no Grande Prêmio de Mônaco de 1958, mas ela não conseguiu se classificar para a corrida a bordo de seu Maserati 250F. Sua segunda tentativa foi em Spa-Francorchamps, Bélgica, no mesmo ano. Ela conseguiu se classificar e terminou a corrida em 10º e último lugar entre os carros que conseguiram chegar ao final. Outros dez abandonaram, entre eles, os futuros campeões Graham Hill (dois títulos) e Jack Brabham (três títulos) e aquele que é considerado o maior piloto sem títulos de todos os tempos, Stirling Moss, quatro vezes vice-campeão. Spa-Francorchamps sempre foi uma pista muito desafiadora e, naquele ano, os carros da Maserati estavam muito fracos (ficaram com os sétimo, nono e décimo lugares), portanto, o feito de de Filippis foi muito significativo.


Maria Teresa de Filippis no Grande Prêmio da Bélgica de 1958

Direitos de Imagem: Domínio Público

Fonte: http://www.f1grandprixdriversclub.com/maria-teresa-de-filippis-111126-09-012016/


A corrida seguinte era o Grande Prêmio da França e, numa atitude deplorável, o diretor da prova, Toto Roche, a impediu de competir, indo até a conferência de imprensa, mostrando uma foto dela e dizendo que “o único capacete que uma mulher deve usar é o do cabeleireiro”. De Filippis disse que o teria esmurrado se tivesse encontrado com ele.

Em seguida ela disputou os grandes prêmios de Portugal, no Circuito da Boavista, e da Itália, em Monza, mas não conseguiu terminar nenhuma das duas corridas por problemas mecânicos. Seu carro parou na sexta volta, em Portugal, e na quinquagésima sétima, de setenta, em Monza, onde ela terminaria a corrida em oitavo lugar se tivesse conseguido chegar ao final.


Maria Teresa de Filippis no Grande Prêmio de Monza de 1958.

Direitos de Imagem: Alan R. Smith - Domínio Público

Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/File:1958-09-07_Monza_Maserati_250F_de_Filippis.png



No ano seguinte, ela deixou a Maserati e se juntou à Behra-Porsche, equipe de seu amigo, Jean Behra, piloto da Ferrari. A segunda tentativa frustrada de qualificação para o Grande Prêmio de Mônaco marcou sua última participação na Fórmula 1. Maria Teresa não participou do grande prêmio seguinte, na França e abandonou as pistas pouco antes do grande prêmio da Alemanha, quando Behra faleceu em um acidente em uma corrida preliminar. Ela disse que, naquela época, todos os pilotos eram amigos e saiam juntos depois das corridas. As mortes em seguida de Luigi Musso, Alfonso de Portago e Mike Hawthorn a abalaram muito e a gota d’água veio com a morte de Jean Behra, que disputava a corrida com o carro dela após ser demitido da Ferrari no Grande Prêmio da França. Maria Teresa só voltaria ao cenário automobilístico em 1979, quando se juntou ao Clube Internacional dos Ex-pilotos de Fórmula 1, do qual foi vice-presidente a partir de 1997.

Em uma entrevista ao jornal inglês The Guardian, em 2006, de Filippis afirmou ficar um pouco surpresa por poucas mulheres terem seguido seu exemplo, mas que entende que muitos patrocinadores “não acreditam que uma mulher possa competir em igualdade de condições. É uma pena, porque acho que haveria um grande interesse se uma mulher tivesse uma chance na Fórmula 1”. Depois dela, apenas Lella Lombardi (1974-76, Brabham, March e Williams, a única mulher a pontuar e a que disputou mais GP’s, dezessete), Divina Galica (1976 e 1978, Surtess e Hesketh), Desiré Wilson (1980, Williams) e Giovanna Amati (1992, Brabham) disputaram ao menos uma qualificação. Maria de Villota e Susie Wolff foram pilotas de teste da Marusia e Williams, respectivamente, mas não disputaram nenhum grande prêmio.

Maria Teresa de Filippis faleceu em 2016, aos 89 anos, deixando escrito um dos capítulos mais interessantes da história do automobilismo e da Fórmula 1 e abrindo caminho para todas as pilotas que vieram depois dela.



Fontes:


https://database.motorsportmagazine.com/database/drivers/maria-teresa-de-filippis


http://en.espn.co.uk/maserati/motorsport/driver/732.html


http://en.espn.co.uk/onthisday/motorsport/story/2416.html


https://esporte.ig.com.br/automobilismo/f1/2017-03-23/mulheres-pilotas-formula-1.html


http://www.f1grandprixdriversclub.com/maria-teresa-de-filippis-111126-09-012016/


https://www.formula1.com/en/results.html/1958/races/162/belgium/race-result.html


https://www.formula1.com/en/results.html/1958/races/166/portugal/race-result.html


https://www.formula1.com/en/results.html/1958/races/167/italy/race-result.html


https://www.formula1.com/en/latest/headlines/2016/1/maria-teresa-de-filippis--first-female-f1-racer--dies-at-89.html


https://www.motorsport.com/f1/news/f1-s-first-ever-female-driver-passes-away-aged-89-666763/666763/


https://www.publico.pt/2011/10/26/desporto/noticia/a-primeira-mulher-chegou-a-formula-1-por-causa-de-uma-aposta-entre-irmaos-1518290


https://www.theguardian.com/observer/osm/story/0,,1720870,00.html#article_continue


https://web.archive.org/web/20100819064919/http://www.formula1.com/results/season/1958/679/

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo