• Professor Wagner Lacerda

O Cinema e os Números

Todo cinéfilo adora mergulhar em intermináveis discussões sobre quem teria sido o maior “isto ou aquilo”... Quem é o maior diretor de todos os tempos? Alfred Hitchcock ou Orson Welles? Ou Ingmar Bergman? E o maior ator? Marlon Brando? Al Pacino? Atriz... Bette Davis? Katharine Hepburn? E filme: O Poderoso Chefão ou Cidadão Kane? Enfim, as dúvidas sempre permanecem e as polêmicas só aumentam. Ora, o motivo é simples: falamos, aqui, de critérios extremamente subjetivos! Por mais que se tente estabelecer parâmetros para tais disputas, acaba, muitas vezes, prevalecendo o gosto de cada apaixonado ou apaixonada pela Sétima Arte.

Mas... e se as discussões forem pautadas por critérios totalmente objetivos, inquestionáveis, baseados, eminentemente, em números, marcas e datas. Fica mais simples de achar um “vencedor”, não é mesmo? Então, seguindo essa linha, qual foi o filme mais caro já produzido? Cleópatra (1963), dirigido por Joseph L. Mankievicz e protagonizado por Elizabeth Taylor e Richard Burton, até hoje, mantém esse posto: foram gastos aproximadamente 44 milhões de dólares nas filmagens – o que, em números corrigidos, dá a espantosa quantia de mais de 300 milhões! Porém, se o parâmetro for o lucro, ninguém bate A Bruxa de Blair: o modesto filme de terror de 1999, escrito e dirigido por Daniel Myrick e Eduardo Sánchez, custou 25 mil dólares e rendeu aproximadamente 150 milhões! Um lucro de 600 vezes o valor inicial.


Cartaz original de O Portal do Paraíso

Fonte:https://pt.wikipedia.org/wiki/Heaven%27s_Gate_(filme)#/media/Ficheiro:Heavens_Gate.jpg


Se formos para o outro lado da balança, no entanto, localizamos O Portal do Paraíso (1980), de Michael Cimino. Na época, a produção custou 44 milhões de dólares e rendeu apenas 1,5 milhão... Feitas as contas, o enorme prejuízo rondou 97%! O filme, simplesmente, levou a lendária produtora United Artists à falência. Mas não falemos somente de dinheiro. Há outros números curiosos. Qual foi o filme com o maior número de figurantes da história? O recorde fica com Gandhi (1982), de Richard Attenborough, que utilizou, em suas cenas, 300 mil pessoas! E se pensarmos em figurantes... animais? Outro oscarizado, A Volta ao Mundo em 80 Dias (1956), dirigido por Michael Anderson e John Farrow, leva o prêmio: foram utilizados, nas filmagens, 8522 animais de todos os tamanhos e espécies. A pergunta é: como fizeram para controlar toda essa bicharada?


Cena do filme A Volta ao Mundo em 80 Dias

Fonte: https://jvernept.blogspot.com/2012/02/volta-ao-mundo-em-80-dias-de-1956-volta.html


E sobre as salas de cinema? Há, também números interessantes. Em 26 de setembro de 1909, era fundado o Kino Pionier, em Stettin, que, na época, pertencia à Alemanha – hoje, a cidade se chama Szcecin e fica na Polônia. E qual é sua marca? Simplesmente, ele funciona até hoje, o que o faz ser o cinema mais antigo do mundo ainda em atividade. Já na capital da Islândia, Reykjavik, fica o menor cinema do mundo: são seis salas de exibição com apenas 17 lugares em cada uma. Mas, até com os números, existem controvérsias... Há quem afirme que, na verdade, o menor cinema do mundo fica em Cuba, na cidade de Miramar, com uma única sala onde podem se acomodar 25 apaixonados cinéfilos. Que as discussões recomecem!

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo